Pesquisa por 'Tipo de Publicação': categorias e definições

Existem diversas formas de explorar livremente a Base de Dados de Livros de Fotografia (BDLF) e de filtrar resultados de busca. Destacamos aqui uma ferramenta específica, moldada para atender às particularidades dos livros de fotografia: o filtro Tipo de publicação, disponível na página Busca Avançada

Vale salientar que os termos que utilizamos na BDLF para descrever os Tipos de Publicações não estão necessariamente previstos em manuais ou estudos técnicos da Biblioteconomia1 ou da Fotografia. Se, por um lado, a consolidação dessa forma de classificação é primordial para o pleno funcionamento desta plataforma, por outro, deve-se pesar o ineditismo da proposta da BDLF no campo das bibliotecas digitais e, portanto, possíveis limitações circunstanciais. Nessa perspectiva, consideramos a tipologia aqui proposta como um processo em curso e, sendo assim, tal classificação estará necessariamente sujeita a novos estudos, revisões e atualizações futuras.

Destacamos também que não pretendemos discutir aqui a problemática conceitual que envolve determinados termos relacionados à produção editorial da fotografia contemporânea, como por exemplo o conceito de “fotolivro”, que vem sendo estudado por uma ampla gama de pesquisadores. Aqui, buscamos apenas indicar os nossos parâmetros iniciais de indexação.

Com base nas referências bibliográficas disponíveis, tomamos como ponto de partida duas categorias principais: livros de fotografia e livros sobre fotografia. Além disso, consideramos outras três categorias secundárias: livros de outras áreas, periódicos e outros formatos de publicação. Esses cinco grupos se desdobram em subtipos específicos, que listamos abaixo.

Note que essas cinco categorias (indicadas em cinza na ilustração abaixo) não serão utilizadas como classificadores: elas estão mencionadas aqui somente para podermos explicitar melhor a lógica da indexação na BDLF. Apenas os termos indicados como Tipo de Publicação (indicados abaixo em amarelo) serão efetivamente atribuídos às publicações, segundo a ênfase tipológica identificada em cada obra, definida pela disposição das informações em relação ao universo da fotografia.2



O grupo dos livros de fotografia se refere às publicações cujo conteúdo é articulado essencialmente por imagens fotográficas. Essa categoria se desdobra em subtipos de publicação como Catálogos, Coletâneas, Livros fotográficos, Livro-objeto e Publicações fototextuais

Já os livros sobre fotografia são publicações que remetem a fotógrafos, obras e temas fotográficos, e incluem Biografias, Entrevistas, História da fotografia, Obras de referência, Técnicas fotográficas e Teoria e crítica

Consideramos também alguns livros de outras áreas que, apesar de não serem livros de fotografia propriamente ditos, tangenciam o universo fotográfico, como livros de Literatura e Publicações fotograficamente ilustradas. Finalmente, temos também os periódicos (Jornais, Revistas e Periódicos acadêmicos) e outros formatos de publicação (como Álbuns, Folhetos e Zines).

É evidente que a atribuição de uma categoria a uma determinada publicação não é absoluta, já que a classificação de cada obra envolve um certo grau de subjetividade. Além disso, existem publicações mais complexas nas quais certas características podem coincidir e tornar o livro “enquadrável” em mais de uma classe. Nesses casos, procuramos adotar uma postura similar à classificação tradicional em bibliotecas: estipulamos que um livro será integrado a um determinado conjunto levando-se em conta sua característica mais preponderante. Caso se trate de uma obra claramente híbrida, optamos por enquadrá-la em mais de uma categoria. 

 
 

LIVROS DE FOTOGRAFIA 

 

CATÁLOGO COMERCIAL

Tipo de publicação composta por fotografias comerciais ou publicitárias, geralmente produzida por uma empresa, com a finalidade de vender ou publicizar determinado bem ou serviço oferecido por ela.


CATÁLOGO DE EXPOSIÇÃO

Publicação que serve como registro de uma exposição de arte, seja ela coletiva ou individual. Geralmente é publicado e distribuído ou comercializado pela própria galeria ou instituição que realiza a mostra. 

Além das imagens, o catálogo costuma apresentar textos curatoriais, a indicação do período e do local de realização da mostra, além de informações técnicas das obras exibidas (como suporte, tamanho, acervo de origem, etc). Há também casos em que o catálogo é pensado de forma “autônoma”, ou seja, como uma "obra em si", e não apenas como mero acessório de registro e divulgação da exposição que o originou. Isso nos permite enquadrar também este tipo de publicação em outras categorias, como Coletânea ou até mesmo como Livro Fotográfico.


CATÁLOGO INSTITUCIONAL

Publicação geralmente produzida por uma instituição pública (como órgãos governamentais) ou privada (como empresas, instituições culturais e organizações do terceiro setor), de qualquer ramo de atuação, com imagens que documentam as atividades desenvolvidas por ela, geralmente encomendadas a fotógrafos profissionais.


COLETÂNEA

Esta tipologia abarca uma variedade de subtipos, como:

– Publicação que funciona como inventário das obras produzidas por um determinado(a) artista. Pode ter abrangência total, ou fazer apenas um recorte da carreira, apresentando obras selecionadas de acordo com um critério preestabelecido, como um período ou uma técnica artística. Esse tipo de obra também é conhecido como Catálogo raisonné.

– Publicação que apresenta uma retrospectiva da carreira de um(a) fotógrafo(a), artista ou coletivo, geralmente com diversos ensaios ou obras já conhecidas, produzidas em diferentes períodos, e selecionadas segundo algum critério curatorial. Esse tipo de obra também é conhecido como Antologia.

– Publicação que reúne novos ensaios ou obras de um(a) fotógrafo(a), artista ou coletivo, geralmente apresentados em blocos ou capítulos, muitas vezes sem uma relação de continuidade ou narrativa entre eles. Nesses casos, o sentido de cada ensaio ou obra é anterior ao livro, ou seja, seus significados independem do sequenciamento especificado pelo autor/editor, da disposição na página e da materialidade da publicação, que funciona mais como um veículo de difusão, não conformando uma "obra em si".

– Publicação concebida para exibir as imagens mais marcantes de um recorte temático específico (como determinada época, localidade, assunto, estilo visual ou movimento artístico), geralmente apresentando obras produzidas por diversos fotógrafos.


LIVRO FOTOGRÁFICO

Esta tipologia também inclui diversos subtipos de publicações, como:

Monografias: publicações concebidas para apresentar um ensaio fotográfico específico, produzido por determinado autor ou coletivo. Nelas, o trabalho apresentado é dotado, em seu conjunto, de uma certa delimitação temática e uma  mínima coerência visual, ainda que as imagens não precisem necessariamente conformar uma narrativa. Para publicações que apresentam diversos ensaios distintos ou obras sem conexão entre si, utilizamos o termo Coletânea.

Fotolivros: publicações que resultam da conjugação do trabalho do(a) fotógrafo(a)/artista, editor(a), designer e gráfica. São publicações dotadas de coerência temática, estética, física e conceitual, onde cada imagem desempenha um papel relevante na narrativa visual e no conjunto da obra. Nesses casos, o sentido de cada imagem é estabelecido ao longo do livro – ou seja, seu significado depende do sequenciamento especificado pelo(a) autor(a)/editor(a), da disposição na página e da materialidade da publicação. Os Fotolivros são uma "obra em si". Note que as publicações referidas por este termo não se confundem com os “fotolivros comerciais”, que são aqueles álbuns fotográficos produzidos por serviços de impressão sob demanda, destinados apenas à circulação privada e não à difusão pública, e que por isso não são catalogados na BDLF.

Livros de artista: obras que apresentam características semelhantes aos Fotolivros em termos conceituais, mas que geralmente são produzidos em baixíssimas tiragens, feitos em processos artesanais e destinados a uma circulação mais restrita ao ambiente artístico.

Note que tanto na literatura acadêmica quanto no uso corrente existem inúmeras discussões e divergências sobre a pertinência e a abrangência desses três subtipos de publicação (Monografia, Fotolivro Livros de Artista), o que faz com que a sua atribuição em um sentido restrito seja problemática. Assim, apesar das particularidades próprias de cada uma dessas três tipologias, optamos por classificá-los, por hora, como Livros fotográficos. Vale destacar que diversos autores consideram como Livros fotográficos outros tipos de publicação já descritos acima – tal como Catálogos ou Coletâneas.


LIVRO-OBJETO

Obra que se inspira no formato das publicações, mas cuja materialidade extrapola o formato padrão do códice. Geralmente apresenta um formato não convencional de encadernação e se destaca por sua tridimensionalidade e pela proposta conceitual. Essa tipologia inclui também os Livros-obra.


PUBLICAÇÃO FOTOTEXTUAL

Publicação na qual os elementos textuais se relacionam com as imagens em nível de complementaridade ou equivalência. Nesses casos, o código textual é indissociável do código visual e vice-versa, havendo uma relação de mutualidade entre eles.

Para publicações nas quais o texto é a linguagem preponderante e a fotografia aparece de forma mais pontual e ilustrativa, utilizamos o termo Publicação fotograficamente ilustrada.

 
 

LIVROS SOBRE FOTOGRAFIA

 

BIOGRAFIA

Obra que relata a vida e a atividade de um(a) fotógrafo(a) ou artista. Na BDLF, esse termo abarca também as Autobiografias (obras inspiradas na vida de uma pessoa, narrada por ela mesma, seja um(a) artista/fotógrafo(a) ou uma personalidade de outra área), e também as Fotobiografias (biografas e autobiografias que trazem um volume considerável de imagens fotográficas de arquivo).


ENTREVISTA

Publicação produzida a partir de entrevistas realizadas individualmente com fotógrafos(as), artistas ou profissionais da área, ou compilações de entrevistas realizadas com diversos entrevistados.


HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA

Publicação que trata de qualquer aspecto relacionado à história da fotografia – tanto no Brasil como no exterior –, seja do ponto de vista factual do desenvolvimento de práticas, técnicas, aparatos e da atuação de seus operadores, seja do ponto de vista analítico, focado na relação histórica da fotografia com os diversos campos das artes e da vida social. Inclui também as publicações dedicadas à obra de determinado(a) fotógrafo(a) ou artista, ou a um tema específico, desde que contenham textos relevantes que contextualizem a obra analisada na história da fotografia local ou geral.


OBRAS DE REFERÊNCIA

Publicação usada como fonte de consulta, tal como dicionários, enciclopédias, anuários, compilações de referências bibliográficas e inventários de coleções de arte. Sua função é oferecer acesso rápido e direto a informações ou fontes de informação sobre fotógrafos, livros de fotografia, técnicas fotográficas, entre outros. São obras que podem servir como meio de acesso a outras publicações.


TÉCNICA FOTOGRÁFICA

Publicação técnica destinada à instrução do público amador ou profissional. Na BDLF, incluímos também nesta tipologia os guias e manuais destinados a profissionais especializados de áreas específicas da fotografia, como conservação, gestão de acervos, curadoria, processos fotográficos não convencionais, fotografia cinematográfica, etc.


TEORIA E CRÍTICA

As publicações teóricas são aquelas que se voltam à abordagem conceitual da imagem ou da fotografia, sustentadas nos paradigmas teóricos de diversos campos do conhecimento, como Antropologia, Artes, Comunicação, História, etc.

As publicações críticas contém análises que contextualizam e/ou interpretam obras fotográficas. Em alguns casos, consideramos alguns Catálogos de exposição e Coletâneas como Teoria e crítica, desde que apresentem apreciações críticas relevantes e que, por isso, estejam indexados com o assunto Crítica e Interpretação.

 
 

LIVROS DE OUTRAS ÁREAS

 

LITERATURA

Obras literárias de todos os gêneros (romance, conto, crônica, poesia, etc.) que possuem alguma relação com a fotografia. Essa relação pode ocorrer no plano do conteúdo, quando a fotografia é um assunto relevante na narrativa, ou quando há personagens que atuam como fotógrafos. Nesses casos, o livro pode conter imagens impressas ou não. 

Essa relação também pode se dar no plano da linguagem, como nas obras literárias em que o texto e a imagem fotográfica coexistem e se complementam, podendo inclusive referir-se a temas alheios à fotografia – nesses casos, a publicação também se enquadra na categoria Publicação fototextual.


PUBLICAÇÃO FOTOGRAFICAMENTE ILUSTRADA

Esta tipologia abarca aqueles títulos oriundos de outras áreas (como arquitetura, culinária, história, etc.) que, embora contenham imagens fotográficas, não são considerados “livros de fotografia” propriamente ditos, porque neles as imagens fotográficas desempenham um papel secundário. Por outro lado, apesar da proeminência da informação textual sobre a visual, são publicações que apresentam um conjunto de imagens consideradas relevantes para o campo da fotografia  que justificam, excepcionalmente, sua inclusão na BDLF.



PERIÓDICOS


JORNAL

Serão referenciados na BDLF somente os jornais especializados em fotografia, além de fascículos e suplementos especiais publicados por jornais não-especializados, desde que sejam dedicados, integral ou parcialmente, à fotografia.


PERIÓDICO ACADÊMICO

Também conhecido como periódico científico ou revista acadêmica, é a publicação editada por uma instituição acadêmica, composta por artigos produzidos por diversos pesquisadores e submetidos à revisão por pares. Na BDLF, também incluímos nessa tipologia compilações de textos (ou papers) apresentados em congressos, seminários, encontros e simpósios das diversas áreas do conhecimento. 


REVISTA

Serão referenciados na BDLF somente as revistas comerciais especializadas em fotografia, e também alguns números específicos de revistas não especializadas, desde que sejam dedicadas à fotografia.



OUTROS TIPOS


ÁLBUM

Publicações concebidas no formato tradicional de álbuns fotográficos, muito comuns nas primeiras publicações fotográficas do século 19, mas presente também em livros-objeto de artistas contemporâneos.


FOLHETO

Impresso comum que não se constitui como uma publicação propriamente dita, como por exemplo os folhetos de divulgação de exposições e outros tipos de eventos. De forma geral, não estamos catalogando folhetos simples na BDLF, mas excepcionalmente poderemos incluir aqueles considerados relevantes, que contenham um conjunto razoável de imagens, informações e/ou textos curatoriais sobre a mostra realizada.


ZINE

O termo zine é uma redução do termo em inglês magazine (revista ou periódico). São publicações comumente produzidas em processos artesanais e em baixa tiragem, publicadas pelo próprio autor ou por editoras independentes. Em geral possuem capa flexível e são encadernados apenas com grampos, costura manual ou apresentam folhas soltas. Geralmente não possuem registro ISBN e circulam principalmente nas feiras de publicações impressas, à margem do mercado das livrarias.

  

  

Leonardo Wen e Renata Baralle
Base de Dados de Livros de Fotografia

   

  

____________________
NOTAS

1. A principal norma de referência para catalogação na Biblioteconomia (AACR2r, que vem sendo gradualmente substituída pela RDA) aponta tipos de materiais abrangentes como livros, publicações seriadas, materiais cartográficos, entre outros. Sabe-se, entretanto, que cada instituição desenvolve suas próprias listagens tipográficas de acordo com as especificidades dos materiais que tratam, como por exemplo as bibliotecas da USP ou a Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos. Da mesma forma, buscamos aqui na BDLF a melhor forma de lidar com a especificidade dos livros de fotografia, o que requer adaptações e proposições tipológicas.

2. A disposição das informações textuais e visuais em cada publicação impacta na definição da tipologia. Por exemplo, nas Publicações fototextuais os textos guardam um relação de complementariedade em relação à imagem; em termos hierárquicos, textos e imagens complementam-se nesta tipologia, possuindo uma importância equivalente. Por outro lado, há casos em que os textos atuam mais como descritores das imagens expostas – é o caso dos Catálogos e Coletâneas. Outro elemento fundamental na definição das tipologias são as relações intraimagéticas, que definem se há uma noção de narrativa entre as imagens ou se a seleção se dá por algum outro critério.

  

____________________
REFERÊNCIAS

ARLIS/NA Book Art Special Interest Group. Artists' Books Thesaurus. ARLIS/NA, Oak Creek, WI, 2014. Disponível em <http://allisonjai.com/abt/vocab/index.php> Acesso em: 22 out. 2022.

BÖGER, Astrid. People's lives public images: the new deal documentary aesthetic. Tübingen: Narr, 2001. 

CUNHA, Murilo Bastos da; CAVALCANTI, Cordélia Robalinho de Oliveira. Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia. Brasília: Briquet de Lemos, 2008. 

RAMOS, Marina Feldhues. Fotolivros: (in)definições, histórias, experiências e processos de produção. Curitiba: Editora UFPR, 2021.


____________________
ATUALIZAÇÃO
* Texto originalmente publicado em 26 de abril de 2020.
* Atualizado em 05 de fevereiro de 2023.