PESQUISA POR 'TIPO DE PUBLICAÇÃO': CATEGORIAS E DEFINIÇÕES

Leonardo Wen e Renata Baralle (BDLF)
26 abr 2020

RESUMO: Para encontrar publicações ou filtrar resultados de busca nesta BASE DE DADOS DE LIVROS DE FOTOGRAFIA (BDLF), uma das ferramentas disponibilizadas é o campo Tipo de Publicação, presente na página de busca avançada. Neste artigo procuramos enumerar e definir as categorias aqui utilizadas.

________________________


Existem diversas formas de explorar livremente esta base de dados e de filtrar resultados de busca. Destacamos aqui uma ferramenta específica, moldada para atender às particularidades dos livros de fotografia: o filtro Tipo de Publicação, presente na página de busca avançada.

Vale salientar, em primeiro lugar, que os termos utilizados na BDLF para descrever tais tipos de publicações não estão necessariamente previstos em manuais ou estudos técnicos da Biblioteconomia1 ou da Fotografia. Ainda que tal classificação seja central para os objetivos desta plataforma, deve-se pesar o estágio inicial do seu desenvolvimento2 e suas limitações circunstanciais. Nessa perspectiva, consideramos a tipologia aqui proposta como um processo em curso e, sendo assim, tal classificação estará necessariamente sujeita a novos estudos, revisões e atualizações futuras.

Em segundo lugar, destacamos que, neste texto, tampouco pretendemos discutir a problemática conceitual de determinados termos relacionados à produção editorial contemporânea da fotografia (como por exemplo o conceito de “fotolivro”, que vem sendo estudado por uma ampla gama de pesquisadores). Visamos apenas indicar aqui os nossos parâmetros iniciais de indexação.

Baseado nas referências bibliográficas disponíveis, tomamos como ponto de partida duas categorias principais (livros de fotografia e livros sobre fotografia) e duas categorias secundárias (livros de outras áreas e outros formatos de publicação). Estes quatro grupos se desdobram em subtipos específicos, que listamos abaixo.

Note, entretanto, que estas quatro categorias (tags marcadas em cinza no gráfico abaixo) não serão utilizadas como classificadores: elas estão indicadas aqui apenas para melhor explicitarmos a lógica da indexação na BDLF. Apenas os termos indicados como Tipo de Publicação (tags em amarelo) serão efetivamente atribuídos às publicações, segundo a ênfase tipológica identificada em cada obra, definida pela disposição das informações em relação ao universo da fotografia3


O grupo dos livros de fotografia se refere àquelas obras cujo conteúdo é articulado essencialmente por imagens fotográficas; esta categoria se desdobra em tipos de publicação como catálogos, coletâneas, livros fotográficos e livros fototextuais. Já os livros sobre fotografia incluem publicações que remetem a fotógrafos, obras e temas fotográficos, e incluem as biografias, entrevistas, história da fotografia, teoria e crítica, obras de referência e técnicas fotográficas. Por sua vez, consideramos também alguns livros de outras áreas que, apesar de não serem livros de fotografia propriamente ditos, tangenciam o universo fotográfico (livros fotograficamente ilustrados). Finalmente, temos também outros formatos editoriais, que abrange periódicos (jornais, revistas, periódicos científicos) e zines.

É evidente, entretanto, que a atribuição uma categoria a uma determinada publicação não é absoluta, já que as leituras de cada obra envolvem um certo grau de subjetividade. Além disso, existem publicações mais complexas nas quais certas características podem coincidir e tornar o livro “enquadrável” em mais de uma classe. Nesses casos, procuramos adotar uma postura similar à classificação tradicional em bibliotecas: estipulamos que um livro será integrado a um determinado conjunto levando-se em conta sua característica mais preponderante. Caso se trate de uma obra claramente híbrida, optamos por enquadrá-la em mais de uma categoria. 


LIVROS DE FOTOGRAFIA


COLETÂNEA

As coletâneas têm como característica comum a função de dar a conhecer a obra de um(a) determinado(a) autor(a) ou de um grupo de autores(as). Conhecidas também como catálogo raisonée, este tipo de publicação funciona como retrospectiva, inventário ou portfólio, e podem ter abrangência total ou apenas parcial dos trabalhos de tais autores(as). Geralmente incluem diversas obras fotográficas na mesma publicação, sem que guardem, necessariamente, qualquer relação entre si.

As coletâneas abarcam também aquelas publicações que trazem seleções de imagens relativas a um determinado assunto, época ou movimento artístico ou fotográfico, geralmente incluindo imagens produzidas por diversos(as) fotógrafos(as).


CATÁLOGO DE EXPOSIÇÃO

Tem como função principal documentar o evento de exposições fotográficas, sejam elas coletivas ou individuais. Geralmente são publicados em forma de folhetos ou livretos e são distribuídos ou comercializados pela própria instituição que expôs o trabalho. Outra característica dos catálogos expositivos é que geralmente apresentam informações técnicas referentes às obras reproduzidas (título, data, material, dimensões), bem como a data e o local da mostra realizada.

Por outro lado, também há casos em os catálogos expositivos são pensados de forma “autônoma”, como uma obra em si, e não apenas como mero acessório de registro e divulgação da exposição que os originou. Isso nos permite enquadrar este tipo de publicação em outras categorias, como coletâneas ou livros fotográficos.


CATÁLOGO INSTITUCIONAL

Publicações que têm como função principal documentar as atividades de determinadas instituições, tais como órgãos governamentais, empresas privadas, instituições culturais e organizações do terceiro setor.


CATÁLOGO TURÍSTICO

Publicações cuja função principal é documentar um determinado local, destacando seus principais atributos turísticos ou “cartões-postais”, para serem divulgados para um público amplo.


LIVRO FOTOGRÁFICO

Inclui os chamados fotolivros (termo utilizado para caracterizar publicações que articulam uma coerência entre seus elementos temáticos, conceituais, estéticos e materiais), as monografias (expressão utilizada principalmente nos Estados Unidos não no sentido acadêmico, mas sim para identificar aquelas publicações cujas imagens mantém uma certa coesão temática ou estética entre si), e os livros de artista fotográficos. 

Tanto na literatura acadêmica quanto no uso corrente existem inúmeras discussões e divergências sobre a pertinência e a abrangência destes três conceitos, o que faz com que a sua atribuição em um sentido restrito seja problemática. Assim, apesar das particularidades próprias de cada uma dessas três tipologias, optamos por classificá-los, por hora, como livros fotográficos.

Vale destacar, entretanto, que diversos autores consideram como livros fotográficos alguns dos tipos de publicação já descritos acima – tal como portfólios, catálogos, coletâneas e antologias (FELDHUES, 2018, p. 2).


LIVRO FOTOTEXTUAL

Tipo de publicação no qual os conteúdos imagéticos e textuais se articulam e se complementam, adquirindo pesos equivalentes na composição discursiva. Astrid Böger cita como exemplo o livro You have seen their faces (1938), de Margaret Bourke-White e Erskine Caldwell, no qual fotografia e texto não 'explicam' ou 'ilustram' um ao outro; ao invés disso, eles reforçam mutuamente seus efeitos (2001, p. 52).


LIVROS SOBRE FOTOGRAFIA


BIOGRAFIA

Obras que relatam a vida e a atividade de um(a) fotógrafo(a) ou artista. Na BDLF, este termo abarca também as chamadas autobiografias (relato da vida de um indivíduo escrita por ele mesmo) e as fotobiografias (biografia acompanhada de uma grande quantidade de fotografias da pessoa biografada, ou de imagens fotográficas referentes a ela [FERREIRA, 2004, p. 928]). 


ENTREVISTA

Publicações compostas majoritariamente por conversas com fotógrafos, artistas e profissionais do universo da fotografia. As entrevistas podem ser individuais ou compilações realizadas com diversos entrevistados.


HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA

Categoria composta por livros que remetem à história da fotografia como assunto principal. Inclui estudos e retrospectivas fotográficas com recortes temáticos, geográficos ou temporais.


OBRAS DE REFERÊNCIA

Publicações que têm como função oferecer um acesso rápido e direto a informações ou a fontes de informações sobre fotógrafos, livros de fotografia, técnicas fotográficas, entre outros. São obras que podem servir como “ponte” de acesso a outras publicações. Inclui materiais como dicionários, enciclopédias e anuários. A obra de referência mais conhecida sobre livros de fotografia é The photobook: a history (volumes 1, 2 e 3) de Martin Parr e Gerry Badger, bem como Fotolivros latino-americanos, de Horacio Fernández.


TÉCNICA FOTOGRÁFICA

Publicações focadas em técnicas de produção fotográfica ou de livros de fotografia. 


TEORIA E CRÍTICA

Publicações que têm como ponto central a reflexão sobre a fotografia quanto aos seus aspectos conceituais ou estéticos. As apreciações críticas podem ser dedicadas ao trabalho de um(a) determinado(a) fotógrafo(a), grupo de fotógrafos(as), períodos históricos ou temas específicos tratados através da fotografia.

As obras teóricas, por sua vez, são aquelas que se voltam à abordagem conceitual sobre a fotografia, em correlação com os paradigmas teóricos provenientes de diversos campos do conhecimento, como por exemplo a Antropologia, Arquitetura, Artes, Comunicação, História, entre outros.


LIVROS DE OUTRAS ÁREAS


LIVRO FOTOGRAFICAMENTE ILUSTRADO

Embora contenham imagens fotográficas, os livros fotograficamente ilustrados não são considerados livros de fotografia propriamente ditos, porque neles as imagens fotográficas desempenham um papel secundário. "Elas se subordinam ao texto, estão ali cumprindo o papel de ilustrar o que o texto diz. A informação essencial é veiculada prioritariamente pelo texto." (FELDHUES, 2018, p. 2). Entretanto, em determinados casos (como por exemplo certos livros de arquitetura ou de história) tais publicações carregam um conjunto de imagens relevantes que justificam a sua inclusão nesta base de dados.

As publicações institucionais com um volume considerável de imagens, onde estas desempenham um papel primordial na composição do conteúdo do livro, serão classificadas apenas como catálogo institucional. Por outro lado, as publicações institucionais que contam com um universo mais restrito de imagens, mas que tenham certa relevância para serem incluídas nesta plataforma, poderão ser também classificadas como livro fotograficamente ilustrado.


OUTROS FORMATOS


JORNAL

Os jornais são publicações seriadas que aparecem em intervalos regulares, em geral diariamente, com informações sobre a atualidade, de interesse para uma ampla comunidade ou apenas para um segmento profissional ou social. Cada edição traz numeração e data de publicação. Serão referenciados na BDLF apenas aqueles jornais ou suplementos relacionados ao conteúdo principal desta plataforma: a fotografia.


REVISTA

Revista é um tipo de periódico que abrange uma ou mais áreas especializadas, com o objetivo de fornecer informações gerais – científicas, técnicas, culturais, etc (CUNHA; CAVALCANTI, 2008, p. 325). Na BDLF, os itens identificados como revista abrangem as publicações do campo da fotografia que geralmente são comercializadas (como por exemplo as revistas Íris, Fotoptica e Zum). Abarca também algumas revistas de outras áreas que, apesar de não pertencerem especificamente ao campo da fotografia, são consideradas relevantes do ponto de vista fotográfico.


PERIÓDICO ACADÊMICO

Também conhecido como periódico científico ou revista acadêmica, “são geralmente publicações cujo conteúdo é editado por uma instituição acadêmica, no qual a maioria dos artigos relata resultados de pesquisas” (CUNHA; CAVALCANTI, 2008, p. 279). Seu conteúdo é constituído por artigos submetidos à revisão por pares; também podem compilar textos (ou papers) apresentados em congressos, seminários, encontros e simpósios das diversas áreas do conhecimento.


ZINE

O termo zine é uma redução do termo em inglês magazine (revista ou periódico). Segundo o pesquisador Fred Wright (apud FELDHUES, 2018), os zines constituem “periódicos autopublicados com pequenas tiragens, normalmente xerocados, frequentemente irreverentes e usualmente direcionados a audiências com interesses muito específicos”. Podem ser trabalhos originais ou apropriados – sendo que as impressões ou apropriações são muitas vezes feitas através de fotocópias (ARLIS, 2014).

Segundo Feldhues (2018, p. 11), “esses livretos, normalmente, são feitos com baixo orçamento, não são registrados no ISBN, vivem na informalidade, circulam principalmente nas feiras de publicações impressas, não entram para as estatísticas oficias, tampouco para o registro histórico e para a consulta por futuras gerações. São livros que vivem à margem do circuito tradicional dos livros de fotografia. Muitos desses fotozines são considerados como fotolivros ou livros de artista, alguns de exemplar único."


Leonardo Wen e Renata Baralle (BDLF)

NOTAS
1- A principal norma de referência para catalogação na Biblioteconomia (AACR2r, que vem sendo gradualmente substituída pela RDA) aponta tipos de materiais abrangentes como livros, publicações seriadas, materiais cartográficos, entre outros. Sabe-se, entretanto, que cada instituição desenvolve suas próprias listagens tipográficas de acordo com as especificidades dos materiais que tratam, como por exemplo as bibliotecas da USP ou a Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos. Da mesma forma, buscamos aqui na BDLF a melhor forma de lidar com a especificidade dos livros de fotografia, o que requer adaptações e proposições tipológicas.
2- As etapas de desenvolvimento da BDLF estão descritas na página Sobre.
3- A disposição das informações textuais e visuais em cada publicação impacta na definição da tipologia. Por exemplo, nos livros fototextuais os textos guardam um relação de complementariedade em relação à imagem; em termos hierárquicos, textos e imagens complementam-se nesta tipologia, possuindo uma importância equivalente. Por outro lado, há casos em que os textos atuam mais como descritores das imagens expostas – é o caso dos catálogos e coletâneas. Outro elemento fundamental na definição das tipologias são as relações intraimagéticas, que definem se há uma noção de narrativa entre as imagens ou se a seleção se dá por algum outro critério.


______________________

REFERÊNCIAS
BÖGER, Astrid. People's lives public images: the new deal documentary aesthetic. Tübingen: Narr, 2001.
CUNHA, Murilo Bastos da; CAVALCANTI, Cordélia Robalinho de Oliveira. Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia. Brasília: Briquet de Lemos, 2008.
RAMOS, Marina Feldhues. Conhecer fotolivros: (in) definições, histórias e processos de produção. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Artes e Comunicação, 2017.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3. ed. Curitiba: Positivo, 2004.


Este projeto foi realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal.
Logos de patrocinadores