De pi-iêrê a quitaúna ou de pinheiros a osasco : um percurso gráfico

concepção Gilberto Tomé

Nesta edição da série Livrocidade, o tema é o bairro paulistano de Pinheiros em função, particularmente, das transformações pelas quais passa a região do Largo da Batata. Pi-iêrê, o nome indígena desse lugar, significa “transbordado” e se relaciona às cheias do Rio Pinheiros. O nome pi-iêrê, por corruptela, acabou se transformando em Pinheiros e associado às muitas araucárias que ali existiam. 

Impressos em serigrafia sobre papel Capa AG 90 gr/m2, tendo tiragem de 100 exemplares, apenas uma parte das fotos recebeu o texto "Pi-iêrê" como segunda cor. Parte da tiragem dos cartazes compõe-se no formato de uma publicação, enquanto outra parte vem sendo colada na região, como no Largo de Pinheiros, entre as ruas Butantã e Paes Leme.

(FONTE: site do auto – texto adaptado)




Identificação
Título
De pi-iêrê a quitaúna ou de pinheiros a osasco
Subtítulo
um percurso gráfico
Tipo de Publicação
Cidade de Edição
Estado de Edição
País de Edição
Editora
Ano de publicação
2019
Número de Páginas
1 vol. não paginado
Idioma
Ficha Técnica
Autoria (Fotografia)
Outros
Forma Física
Largura (cm)
45
Altura (cm)
61
Tiragem
100
Tipo de capa
Sem Capa
Tipo de Papel
Capa AG 90g/m2
Tipo de impressão
Silkscreen / Serigrafia
Tipo de encadernação
Folhas soltas
Conteúdos
Notas de Conteúdo

Contém imagens produzidas pelo autor e fotografias de arquivo pertencentes ao Arquivo Histórico de São Paulo e ao Museu Dimitri Sensaud de Lavaund (Museu de Osasco)

Assuntos Fotográficos
Assuntos Gerais
Referências Externas
URL
A+
A-