Ludus

De acordo com o filósofo Gilles A. Tiberghien, quando evocamos a paisagem hoje, falamos de percepções individuais, mas também de representações coletivas, da natureza mas também da sociedade, de contemplação estética e domínio do território, psicologia e política. Ou seja uma construção cultural e estética. A sua representação não se limita portanto ao registro do real, tal como o percebemos, mas é sobretudo uma representação proposta por uma dada cultura e é dentro dessa chave que podemos compreender o trabalho de Ale Ruaro.

Ele se serve de uma referência clássica da representação do território, as vistas, para trazer o deserto, paisagem ancestral, a partir de uma observação do alto, uma janela para o mundo, em contraponto a essas imagens surge, em Ludus, uma paisagem dialética, que estabelece um tipo muito diferente de relação com o espectador. Relação de frontalidade, onde ele é instalado no meio mesmo desse território em abandono, ou antes em transformação. – EDER RIBEIRO

(FONTE: site do autor)


Identificação
Título
Ludus
Tipo de Publicação
Cidade de Edição
Estado de Edição
País de Edição
Editora
Ano de publicação
2021
Número de Páginas
64 p.
ISBN / ISSN
9786599239717
Idioma
Ficha Técnica
Autoria (Fotografia)
Autoria (Texto)
Edição de Imagem
Projeto Gráfico
Impressão
Forma Física
Largura (cm)
17
Altura (cm)
24
Tiragem
300
Tipo de capa
Flexível
Tipo de Papel
Offset 120g/m2
Tipo de impressão
Indigo
Conteúdos
Assuntos Fotográficos
Assuntos Gerais
Referências Externas
URL
A+
A-