Capa do livro

Modernidade, mulher, imprensa : a revista O Cruzeiro no Brasil de 1928-1945

texto Leoní Serpa

[A publicação] percorre páginas da história de uma das revistas brasileiras mais lidas por 46 anos de tiragens no País. O semanário alcançou o número de quatro milhões de leitores e deixou legado para a história da imprensa, com a concretização de uma nova forma de fazer jornalismo que valoriza a reportagem e a fotorreportagem, o uso da caricatura, da pintura, da fotografia; inovações não comuns para publicações dos anos de 1930-1940. Na publicidade e na propaganda, criou um cenário que possibilitou ditar modas, normas e até conceitos, numa intencional propagação da modernidade inspirada nos ditames hollywoodianos, e assim pregoava uma modernidade mascarada que substituía a submissão feminina social e doméstica pela doutrina da beleza e do consumo. Pela propaganda enalteceu-se o belo, priorizou-se um comportamento conservador e reforçou-se a ideia de uma nova mulher, agora mais consumista. As capas eram as vitrines pelas quais o sonho de mudança era vendido.

(FONTE: a publicação)

Identificação
Título
Modernidade, mulher, imprensa
Subtítulo
a revista O Cruzeiro no Brasil de 1928-1945
Tipo de Publicação
Cidade de Edição
Estado de Edição
País de Edição
Editora
Ano de publicação
2017
Número de Páginas
279 p.
ISBN / ISSN
9788547306557
Idioma
Ficha Técnica
Autoria (Texto)
Forma Física
Largura (cm)
15
Altura (cm)
21
Tipo de capa
Flexível
Tipo de encadernação
Brochura
Conteúdos
Assuntos Fotográficos
Assuntos Gerais
Referências Externas
URL
A+
A-