Carta branca

O diálogo proposto neste fotolivro articula dois trabalhos impactados pela conjuntura brasileira. Carta Branca é a primeira experiência do autor na captação de imagens com celular. A série reúne fotografias produzidas durante caminhadas em Belo Horizonte entre o golpe que destituiu a presidência da República em 2016 e a eleição de seu sucessor.

Guilherme recolhe pistas e constrói uma narrativa que antecipa o resultado da confiança irrestrita que levou à vitória nas urnas. No verso, a série 01/01/2019 com fotografias de intervenções realizadas em antigas cédulas. A paixão numismática desaguou no primeiro dia do mandato de Jair Bolsonaro como presidente da República para inscrever sobre a efígie de inspiração liberal da nota de 200 cruzados novos – lançada em 1989, em comemoração ao I Centenário da República – uma sátira aos players do jogo democrático. Na capa e contracapa, o baralho estampa a figura dourada de 100 dólares para lembrar os compromissos com a banca internacional.

Guilherme joga no dúbio e oferece uma nota autêntica carimbada como falsa. É um cassino onde misturam-se Dólares, Cruzados Novos, Cruzeiros e Reais. A carta branca só é possível se a caixa-preta permanecer lacrada.

(FONTE: a publicação)


Identificação
Título
Carta branca
Tipo de Publicação
Cidade de Edição
Estado de Edição
País de Edição
Editora
Ano de publicação
2020
Número de Páginas
1 vol. não paginado
Idioma
Ficha Técnica
Autoria (Fotografia)
Autoria (Texto)
Design (Projeto Gráfico)
Forma Física
Largura (cm)
6
Altura (cm)
9
Tiragem
200
Tipo de capa
Sem Capa
Tipo de Papel
Color Plus 270g/m2 Couché Fosco 170g/m2
Tipo de encadernação
Leporello
Extra externo
Caixa
Conteúdos
Notas gerais

Publicação composta por um livreto sanfonado impressos pelos dois lados, acompanhado de uma cédula de 200 cruzados novos, abrigados em uma caixa preta.

Assuntos Fotográficos
Assuntos Gerais
URL
A+
A-